quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Definitivo




Definitivo, como tudo o que é simples.
Nossa dor não advém das coisas vividas,
mas das coisas que foram sonhadas e não se cumpriram.
Sofremos por quê? Porque automaticamente esquecemos
o que foi desfrutado e passamos a sofrer pelas nossas projeções
irrealizadas, por todas as cidades que gostaríamos de ter conhecido ao lado
do nosso amor e não conhecemos, por todos os filhos que gostaríamos de ter
tido junto e não tivemos,por todos os shows e livros e silêncios que
gostaríamos de ter compartilhado,
e não compartilhamos.
Por todos os beijos cancelados, pela eternidade.
Sofremos não porque nosso trabalho é desgastante e paga pouco, mas por todas
as horas livres que deixamos de ter para ir ao cinema, para conversar com um
amigo, para nadar, para namorar.
Sofremos não porque nossa mãe é impaciente conosco, mas por todos os
momentos em que poderíamos estar confidenciando a ela nossas mais profundas
angústias se ela estivesse interessada em nos compreender.
Sofremos não porque nosso time perdeu, mas pela euforia sufocada.
Sofremos não porque envelhecemos, mas porque o futuro está sendo
confiscado de nós, impedindo assim que mil aventuras nos aconteçam,
todas aquelas com as quais sonhamos e nunca chegamos a experimentar.
Por que sofremos tanto por amor?
O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma
pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez
companhia por um tempo razoável,um tempo feliz.
Como aliviar a dor do que não foi vivido? A resposta é simples como um
verso:
Se iludindo menos e vivendo mais!!!
A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida
está no amor que não damos, nas forças que não usamos,
na prudência egoísta que nada arrisca, e que, esquivando-se do
sofrimento,perdemos também a felicidade.
A dor é inevitável.
O sofrimento é opcional...


Carlos Drumond de Andrade

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Caminhando entre as flores

Nas minhas meditações imagino me sentada em um campo coberto de flores amarelas. Não sei porque gosto tanto desse cor que pra mim simboliza alegria que contagia e se espalha por onde passe.
Eu estou num vestidinho branco vaporoso e com os pés descalços, pisando na grama suavimente sem pressa, nem ansiedade...Passaria horas assim vagando pelos campos e ouvindo os passarinhos nas árvores. Molhando meus pés nas águas de um riachinho manso e cristalino, lavo meu rosto e vou seguindo...admirando tudo. 

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Ou é Isso ou Aquilo

Ou se tem chuva ou não se tem sol,

ou se tem sol ou não se tem chuva!
Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!
Quem sobe nos ares não fica no chão,
Quem fica no chão não sobe nos ares.
É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo em dois lugares!
Ou guardo dinheiro e não compro doce,
ou compro doce e não guardo dinheiro.
Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo...
e vivo escolhendo o dia inteiro!
Não sei se brinco, não sei se estu
se saio correndo ou fico tranqüilo.
Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.

Cecília Meireles

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Olhos para ver


Ai de mim que nada sei de concreto
Busquei quebrar regras e muitas vezes quebrei foi a cara
Não me arrependo nem um pouco, fiz o que julguei acertado
Não estou a me explicar, julgo-me acima de tudo que me ofendes
Sabedoria é virtude de poucos e pouco a possuo, resguardo meu geito
Nem todos entenderiam minha maneira de ser...assim, assim, mais, mais...
Penso em tudo e pouco faço para mudar meu fardo que se  estende pela vida afora
Não me traga receitas prontas pois adoro misturar os temperos
E esperimentar sabores...
Degusto a vida aos poucos , não me iludo com quase nada, sei da incapacidade alheia
E caminho rumo as pirâmides, para descobrir quem sou e para onde vou...
Se tudo é tão simples porque então julgamos complicado?
Fica bem mais fácil rodear do que atingir o ponto
Sofre-se menos e espera-se mais
Quando atingir a maior parte de seus objetivos aceite
 Não foi só seu esforço, a sorte também contribuiu
Nem tudo foi só o destino, a sorte deu uma forcinha...

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Metáforas parte 1

Desde quando assumiu o papel de Deus...
Porque quis dominar tudo sozinho?
Qual foi o seu erro mais absurdo?
O que te faz sentir desta vez o herói?
Não minta pra mim, pois sei de tudo...fanfarão
Podes enganar a todos menos a mim
Moro com você, respiro junto contigo
Cada cálice que bebe eu estou lá, atenta
Não adianta ficar bravo... estou aqui ainda
Seu tolo o que faz de você melhor ou pior que outrem
Mendigo miséravel porque não ajudaste teu irmão?
Ficas aí em seu trono esmerdeado
Comendo pão que seu servos cuspirão
Leproso, maldito, canalha...
Não minta mais a teu próximo...
Vista-se de vermelho escarlate e fique de frente pro sol
queimará em segundos hó princípe das trevas
Seu eu impuro lhe traiu.
Não farás mais vitímas, eu espero...
Pois o inferno constatei já é aqui...

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Singela Historieta

Não me venhas procurar Dom Ruan das esquinas
Cínico, calculista e insano...
Terror das jovens dongelas e caus de uniões fragmentadas
Trás nos olhos o cio absoluto

Promessas não faz, vai te pega e tchau...
Nunca ligue para esse tipo de farsante
Ele te corrompe, meche em suas entranhas
Ruborisa-lhe o rosto e ferve-lhe o leito

Nunca te esqueças frázil figura
Que ao entardecer voltas pra casa
Limpes o vestigio de sua pequena travessura
E nunca esperes demais desse vigoroso vilão


terça-feira, 13 de outubro de 2009

Marés

Porque me olha assim quando esta bem pertinho...
Não percebi que tenho medo de te amar?
São tantos os rios que atravessei a nado
que já não consego sequer respirar


Tenha clemência de mim, oh princípe das marés
Não veês que sou naúfraga dessas águas por muitas vezes
Pare de tirar de mim o tão sonhado sossego
Eu nem ousava pensar mais em ti


Fez de mim refém de sua vontade,
Causou me grandes danos
Quis que você desaparece
Em vão, porque sempre acaba retornando


Me deixe em paz lindo menino
Não faça meu coração ter esperança
Um dia sonhei ser um passarinho
E acabei na gaiola cantarolando...


                                                           Eugenia

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Alegria apesar do cárcere


Ontem me ocorreu algo que para mim foi um gesto de amor.
Estava acontecendo uma festa na minha casa e ficam lá dois pássaros engaiolados um em cada canto da casa,normalmente eles ficam sozinhos isolados um do outro. Cada um escuta somente o seu cantar. Ao me aproximar da gaiola de um deles pecebi sua alegria por ter alguén ali a observar suas acrobacias dentro da gaiola, parecia que sorria pra mim, enquanto um menino ao meu lada tentava de um tudo atormentar o pobre bichinho. Peguei a pequena gaiola pus em cima da geladeira, longe o bastante daquele que daqui uns anos provavelmente não estará nem ai com a natureza e suas magelas. Sou contra o cativeiro, mas por se tratar de passáros já em extinção os criamos com autorização do governo(Ibama).Mas afinal se um bichinho como ele sente solidão ao estar sozinho o que dizer de nós então? Com todas essas barreiras de estatus social,diferença de cor e sexo caminhamos para onde? É um caso a se pensar precisamos de carinho, colo , amor, e cantar muito para aliviar o coração...

Não me faça mentir...

Toda vez que me pergunta se te amo...
Se gostei do geito que me tocou à noite...
Quantos orgasmos consegui fingir em uma noite...
Em quantas voltas consegui estacinonar o carro...
Quanto gastei no mercado e na padaria durante o mês...
E nos domingos aquele que diz ser seu amigo nunca me convidou?
Depois de vinte passados se quero ir comer pizza no sábado...
E se nossos filhos apesar de todo o egoísmo me faz feliz?
Se por ventura ousar usar uma roupa mais sex, se é pra você...
Quando por muitas vezes chorei à noite, por nunca aprender a me amar...